16/02/2019

[Crítica] Conversando com um Serial Killer


Boa Noite!!! Hoje temos uma critica bem bacana do nosso colunista Vinícius sobre um dos novos documentários lançado pela NetflixConversando com um serial killer: Ted Bundy, que a partir do trabalho do jornalista Stephen Michaud trás um pouco da mente sombria do serial killer Ted Bundy.
Conversando com um Serial Killer (Netflix)
Netflix transporta o telespectador para dentro da mente criminosa de Ted Bundy de forma excepcional!

'Conversando com um serial killer: Ted Bundy' é a nova série criminal inspirada na vida do notório homicida Ted Bundy, que foi responsável pela morte demais de 30 mulheres dos Estados Unidos na década de 90.

Seus alvos eram jovens garotas (quase todas universitárias e de um padrão de beleza considerado atraente pela sociedade). O maníaco atraia suas vítimas para o seu carro, (ou para algum local isolado da multidão), e lá, cometia as mais terríveis atrocidades com as meninas. Até que por fim às matavam de forma cruel e por fim desaparecia, e seus corpos nunca mais eram vistos.

Budy, durante sua vida no crime, marcou a memória de muitas pessoas, já que o seu caso foi um dos primeiros a ganhar tamanha repercussão no país e na vida dos americanos.

Muitos, das cidades ou estados que Ted percorreu durante sua época de atuação (entre eles Seattle, Utah, Flórida etc...)  sentiam medo de dormir a noite, ou de frequentar as ruas sozinhas. Principalmente as meninas que circulavam pelos campus das universidades.

Um diferencial curioso no caso de Ted Bundy, é que: apesar de ser um dos primeiros relatos de um assassino em série atuando nos EUA, o caso é também um dos mais bem documentados da história da criminologia.

Mas isso eu te conto mais lá para frente, porquê primeiro vamos falar sobre o perfil de Bundy!



O Perfil

Theodore Robert Bundy foge totalmente das características comuns que vem a mente de uma pessoa quando se imagina um assassino em potencial. Esqueça os olhos vermelhos e loucos de raiva, a testa franzida e a boca salivando. Não! Ted é definitivamente o contrário deste esteriótipo!

Um homem visualmente de muita boa aparência, educado, gentil e muito simpático. Bundy desde jovem foi muito envolvido nos estudos, e era considerado por muitos um verdadeiro intelectual.

Formado em psicologia e direto (esta última graduação incompleta), o rapaz sempre se achou superior a tudo e a todos.

Havia uma facilidade de influenciar pessoas desde muito cedo, como conta o irmão do serial killer. Tanto que se dava muito bem no ramo dos negócios e vendas.

Era filho de mãe solteira, na qual foi rejeitado por ela nos primeiros anos de sua vida.

O maníaco que agora é retratado na Netflix foi pego graças a uma série de descuidos e coincidências que levaram o FBI até ele. - Isso você verá melhor durante os episódios -. Porque caso contrário, dificilmente ele seria pego (Ou demoraria muito mais. E muitas outas mulheres seriam vítimas do serial killer. Bundy era extremante bom em se esconder).



Voltando ao Audiovisual 

O seriado é riquíssimo em detalhes devido ao fato do jornalista, Stephen Michaud, ter conseguido a proeza de quase 100 horas de áudio de Ted Bundy relatando toda a sua vida. Desde os fatos cotidianos, e posteriormente, depois de muitas conversas, Stephen consegue que Ted confesse o como e porquê praticou todos aqueles crimes

Tudo é narrando pelo criminoso na terceira pessoa. Assim Ted não correria o risco de ter sua pena severizada, e Stephen conseguiria coletar as informações. - Esse foi o modo astuto que Michaud encontrou de fazer Bundy falar! Genioso esse jornalista não é mesmo?! - Porém não foi tudo um mar de rosas durante os dias que se surdearam as entrevistas. Você vai ver que pode ser muito difícil extrair informações de uma pessoa com personalidade tão imprevisível como a de Bundy!

Na recriação da Netflix temos alternâncias entre entrevistas de pessoas que estiveram envolvidas nos acontecimentos, documentos e vídeos da polícia e da mídia da época, assim como novas gravações com atores escalados para os papeis e pequenos fragmentos dos áudios originais gravados pelo Stephen com a "narração" do próprio Ted Bundy contando sobre determinado fato que esta sendo abordado.

Então temos: diversas maneiras cenográficas de visualizar o que aconteceu. Relatos de pessoas que vivenciaram na pele os horrores de Bundy, e a voz do próprio autor do crime narrando em terceira pessoa como foi praticar aquilo.

O fato que o jornalista encontrou de fazê-lo relatar seus crimes na terceira pessoa, para mim, deu um olhar muito único e descritivo aos seus motivos e pensamentos. - Até pelo fato de Ted ser um psicólogo formado. É muito louco ouvir um serial killer apontando e numerando motivos a ele mesmo para realizar tais atrocidades baseadas na psicologia. É como se ele estivesse dando um diagnóstico a ele mesmo!



A série documental  'Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy' também levanta diversas outras bandeiras, como problemas na lei americana, lados políticos envolvidos em casos criminais, a influência da mídia, amor e empatia ao próximo e muito mais variáveis que você estiver disposto a encontrar. Como também a pena de morte.

Sobre isso, o final da série, no último episódio, me mostrou, com uma frase do próprio Ted que; Se há pessoas consideradas incomuns e insanas, como ele; (que são presos em um cárcere)  há, em contra partida, um número muito maior de "loucos" considerados "normais" soltos aqui fora, na vida real, que defendem e apoiam a mesma coisa que eles fazem, com a justificativa de promover algum tipo de justiça.  

O único ponto em que a produção decide não abordar com muita destreza, é são nas parte mais levada a carnificina. Como por exemplo, o roteiro foge um pouco de especificar os detalhes cruéis que Bundy submetia suas vítimas na hora do ataque. 

Isto é TOTALMENTE compreensível, já que para isso a Netflix não poderia exibir tal conteúdo em uma plataforma acessada por todas as faixas etárias. 

 - Então, para quem tem algum problema ao ouvir relatos ou ver encenações de cenas fortes, pode ficar despreocupado!

Claro, eles vão retar sim o que aconteceu, mas a direção exibe isso de uma forma totalmente profissional e técnica.

Este seriado me fez aprender muito sobre serial killers (que é um assunto que gosto e me interesso bastante!). E se você também curte, tenho certeza que vai apreciar bastante o conteúdo!

E para aqueles que não gostam muito da ideia, talvez pudesse ser interessante assistirem para compreender o que os tornam tão diferentes da gente! (ou não)!

As quase 100 horas de entrevistas gravadas com Ted Bundy deu a oportunidade ao jornalista Stephen Michaud de escrever o livro Ted Bundy: "Conversations With a Killer" (mesmo nome da série, em Inglês), que é hoje considerado uma das mais completas obras indispensáveis da criminologia

O exemplar só existia até então na versão da língua inglesa. Mas esse ano a Dark Side Books irá lançar a obra adptada aqui no Brasil! O laçamento vai acontecer 21/03/2019, e a pré venda deste livro já está acontecendo na Amazon! 

11 comentários:

  1. Eu adorei o documentário. Fiquei chocada, sim. Pelo fato de que se eu encontrasse ele na rua jamais imaginaria ser uma pessoa assim. Ele mostrava ser bem normal, tanto que muitas vezes pensei que poderia ser engano!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Vinícius.
    Estudei psicologia jurídica na faculdade e Ted Bundy foi um dos assuntos mais explorados da matéria. Ao contrário da série, vi muito o lado da carnificina... Um horror! Já tinha ouvido falar sobre essa série e vou ver se reservo um tempo para assistí-la e tirar minhas próprias conclusões.
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Geralmente gosto de ler antes de assistir os seriados ou documentários, mas nesse caso estou tão curiosa que vou fazer ao contrário.
    Acredito que vou gostar, é sempre interessante ver as nuances e refletir sobre o porque dessa sede de sangue que esses seriais Killers tem.
    A Netflix tem feito um bom trabalho com esse gênero.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Oi, Jéssica! Já li algo a respeito desse documentário/série, mas confesso que não tenho vontade de assistir. Não sei, só de pensar nesse cara já me dá muito enjoo e uma agonia que vou te contar... Valeria a pena, principalmente para sair da zona de conforto, mas não será prioridade no momento.
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei bastante do documentário.
    Fiquei agoniada com a história dele, que até então eu só conhecia por cima, e nossa que revolta.
    Só acho que como investiram nesse trabalho, poderiam ter falado mais sobre a obsessão dele pela necrofilia e mostrado mais da infância dele. Mesmo assim valeu a pena assistir e conhecer melhor sobre esse monstro


    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  6. Eu estou louca pra ver este documentário, até por que eu adoro o assunto, só não tive tempo ainda x.x
    Seu texto me deixou com mais vontade ainda, gostei como retratou as diversas abordagens da série, eu não sabia sobre algumas coisas e agora imagino mais ricamente quando for assistir.
    Por fim, o texto está ótimo mesmo e por isso vou fazer uma crítica construtiva, no caso recomendo que faça uma revisão do texto para corrigir erros de digitação, é normal acontecer isso, por isso é ótimo ter alguém pra revisar. De resto, parabéns pela descrição da série! =D

    ResponderExcluir
  7. PS: Esqueci de deixar o link xD
    https://castelodoimaginario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Eu coloquei este documentário na minha lista, mas nem sei se terei estômago para assistir. Assistia muitos documentários no passado, mas eles me deixavam tão mal, tão angustiada que resolvi dar um tempo e faz anos que não vejo nada do gênero.

    Este assassino era realmente doentio e só de imaginar quantas vidas ele destruiu, o quanto essas pessoas e suas famílias sofreram, me deixa revoltada. Ele poderia morrer 100 vezes que mesmo assim não pagaria o suficiente por seus crimes. É um monstro.

    ResponderExcluir
  9. Eu não consegui ver o documentário, parei no primeiro episodio porque achei que não ia me fazer bem. mas acho que a produção acertou muito em não colocar os detalhes mais sórdidos, em respeito as vitimas e também a quem possa acessar sem estar preparado.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Não fiquei sabendo do lançamento do documentário, mas fiquei super curiosa para conferir, ainda mais depois de saber do lançamento da Darkside!
    Confesso que fiquei mais tranquila para conferir após ler que eles não fizeram algo muito explicito em relação aos crimes e aos assassinatos. Acho que é um meio de preservar o telespectador. Sei que eu vou ficar mais tranquila para assistir sabendo disto.
    Dica anotada ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Ola Vinicíus, tenho lido muitas críticas sobre o documentário e seus pontos positivos, confesso que estou bem curiosa. por se tratar de um relato do próprio assassino, visto que a mente de pessoas assim são uma incógnita. Com certeza está em minha lista de séries. abraços

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir

Regras para os Comentários:

- Seja educado e não use palavras de baixo calão;
- Comentários hostis e racistas serão excluídos;
- Deixe o link do seu blog, pois retribuo todos os comentários;